sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Ettore Paratore, STORIA DEL TEATRO LATINO


APRESENTAÇÃO

Na convicção de que uma das melhores maneiras de honrar um Mestre - e Ettore Paratore foi um dos maiores do século XX - seja contribuir na perpetuação de sua docência através da publicação de suas obras, o Departamento de Filologia Grega e Latina da Faculdade de Letras e Filosofia da Universidade de Roma "La Sapienza" - justamente a faculdade em que lecionou por mais de trinta anos - decidiu cuidar da reedição da Storia del teatro Latino, uma das obras mais prestigiosas e envolventes do estudioso, na qual, com particular sugestão se manifesta o seu temperamento de fino leitor e de genial interprete das letras latinas. O obra apareceu em 1957 (Casa editora Francesco Vallardi) em um período de extraordinário e intenso fervor criativo: entre os escritos de amplo respiro bastará recordar a Storia della letteratura latina (Firenze 1950), com a qual a Storia del teatro Latino condivide plenamente as duas colunas metodológico-exegéticas da pesquisa de Paratore: de um lado, a necessidade de não isolar os fenômenos literários em uma contemplação estética fechada em si mesma, mas, ao contrário, de inserí-los nos relativos contextos históricos e culturais, organicamente indagados em seus múltiplos aspectos - também no respeito da especificidade exclusiva do mundo interior de cada autor e na consciência (já evidenciada por Paratore na introdução à Storia del teatro Latino) da clara diferença entre o espírito "popular" da produção teatral dos Gregos, principalmente em Atenas, e o espírito predominantemente "elitista" da produção teatral em Roma -, e de conectá-los estreitamente à dinâmica dos vários gêneros literários; de outro lado, a íntima e convicta certeza - proclamada sempre com brilhante veemência argumentativa contra os antiquados e desgastados preconceitos, quer de uma ingênua concepção romântica da literatura, quer de um míope positivismo obscurecido por uma Quellenforschung com fim em si mesma - sobre a originalidade dos escritores latinos em relação aos igualmente imponentes modelos gregos: uma originalidade não somente sustentada em nome de uma refinada sensibilidade artística, mas também historicamente correlacionada aos princípios fundamentais da mesma poética clássica, a qual reconhecia a mais autêntica marca da personalidade não certamente na objetiva novidade dos conteúdos, mas na unicidade da reinterpretação ideológica, sentimental, expressiva; e em um genus como o teatral, no qual os débitos temáticos, formais, de conteúdo, dos Romanos em relação aos Gregos resultam mais evidentes e consistentes, a reivindicação de tal originalidade é constantemente um dos pontos fortes da análise, sem que sejam subvalorizados os laços com a cultura helênica: os autores emergem, com os seus respectivos traços, não enquanto "imitadores", mas como "homens de teatro", com uma pessoal e forte autonomia artística. Paratore expôs suas idéias sobre o teatro Romano em modo pessoal e peculiar de seu ingenium crítico. Nessas páginas, por exemplo, seriam em vão procurar informações "didascálicas", como as tramas dos dramas, enquanto, por outro lado, são minuciosamente aprofundados os problemas da cronologia, sobretudo em relação às comédias de Plauto e as tragédias de Sêneca; também porque era importante para o estudioso assinalar as linhas de uma evolução, seja no conjunto da produção destinada ao teatro, seja na maturação das várias personalidades artísticas. [...]
(da apresentação do livro Storia de teatro Latino, p. IX-X, por Leopoldo Gamberale e Antonio Marchetta)
Tradução: AVRELIVS

INDICE:
VIII: Presentazione
3: Introduzione
Capitolo primo: Le origini
11: L'influsso etrusco
15: I fescennini
18: La "satura"
19: L'atellana
25: Il mimo

Capitolo secondo: L'organizzazione teatrale in Roma
29: Autori, attori e organizzazione dello spettacolo
35: I costumi
40: Struttura delle opere
54: I teatri
58: I "ludi"

Capitolo terzo: Il grande periodo del teatro romano
63: Prima fase: da Livio Andronico a Plauto
66: Livio Andronico
72: Nevio
85: Plauto

Capitolo quarto: Il grande periodo del teatro romano (II)
147: Seconda fase: da Ennio all'età sillana
149: Ennio
155: Pacuvio
160: Cecilio Stazio e gli autori minori di "palliatae"
171: Terenzio
206: Accio
210: La "fabula togata"
217: L' "atellana" letteraria

Capitolo quinto: Età di Cesare
221: Gli spettacoli. La creazione del teatro stabile
223: Le forme tradizionali del teatro letterario
224: Il mimo

Capitolo sesto: L'età imperiale
229: L'etá di Augusto: gli autori
236: L'età di Augusto: lo sviluppo dell'idilizia teatrale
240: La vita teatrale nei secoli successivi
245: L'attività poetica prima di Seneca
248: Seneca
291: Ultimi guizzi

297: Bibliografia generale

Appendice
301: I. Postilla sulla "Storia del teatro latino"
317: II. Il flautista nel Δύσκολος e nel Pseudolus
333: III. Plauto imitatore di se stesso
369: IV. Antestor nel Curculio  e nel Poenulus
391: V. Studi sulla Palliata
413: VI. Avventure di lettura, di ascolto e di scrittura

433: Indice dei luoghi, dei manoscritti, dei nomi

2 comentários:

  1. Grande studioso e latinista Ettore Paratore!
    Questo post mi fa tornare indietro nel tempo
    di molti anni,fino al tempo del Liceo.

    ResponderExcluir
  2. Costantino, Lei ha letto questo libro? È veramente un capolavoro della filologia classica italiana! Questa Storia del teatro latino restituisce agli studiosi e alle persone di cultura la magistrale interpretazione, lucida e appassionata, rigorosa e generale, di una delle forme d’arte antica che più profondamente hanno inciso sulle letterature dell’Europa moderna.

    ResponderExcluir